quinta-feira, 31 de março de 2011

Na versão do governo sobre a desocupação, só faltaram as flores

Como era previsto, a desocupação das casas do Ilson Ribeiro deu o que falar. Bem menos que as idiossincrasias do deputado Jair Bolsonaro, é verdade, prova de que pelo menos no Twitter repercute bem mais uma injúria a homossexual que um tiro com bala de borracha em criança sem-teto.

O pessoal do governo escreveu release em que só faltou dizer que a PM levou flores ao pessoal da invasão. E o Sindicato dos Jornalistas do Acre emitiu uma nota fajuta, segundo a qual a responsabilidade da censura imposta aos jornalistas é do comando da Polícia Militar.

Não custa lembrar que daqui a alguns meses, quando em data próxima ao dia da eleição eles forem entregar as casas do conjunto habitacional, a imprensa será bem vinda.

5 comentários:

  1. Archibaldo, corrija, por favor "aos pessoal da invasão". Adoro ler seu blog pela correção, me alivia!!!

    ResponderExcluir
  2. Ok, Cecília. Obrigado pela correção e volte sempre. Também me alivia saber que mulheres bonitas e inteligentes frequentam o meu salão. Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Sou militar estive lá na desocupação, e sou contra esse tipo de "censura", pois nós policiais vemos a impresa com aliada, seria bom ver esta divulgando as condições de trabalho à qual nos submetem. Tipo enfrentar pedradas de tijolos sem no mínimo um capacete, é o cúmulo.PS: ESTE BLOG É BOM DEMAIS.

    ResponderExcluir
  4. Grato pelo elogio, meu caro. Ele só me faz ver o tamanho da responsabilidade que devo ter com esta ferramenta.

    ResponderExcluir
  5. Bombeiro Carlos Fonseca1 de abril de 2011 19:25

    Caríssimo Antunes.............

    É muito estranho, bizarro até, Policiais dispararem tiros, sejam de látex, sejam de festim, aço, chumbo ou coisa que o valha, contra seres humanos que não dispunham de Armas de fogo e não vestiam coletes de KEVLAR OU ARAMIDA, à prova de balas.
    O des-governo que ordenou tamanha covardia é o mesmo des-governo que invade terras alheias com o pretexto de serem do movimento dos "SEM-TERRA, SEM-TETO, SEM DIGNIDADE". Estranho paradoxo, triste exemplo.
    Lembro-me de, nos anos de 1988, 1989 e 1990, ter sido convidado por colegas Policiais Militares para invadir terrenos alheios onde hoje é o Bairro Ivete Vargas. Acredite, eu não fui, nunca fui e, por isso até o dia de hoje ainda moro pagando aluguel, afinal, políticas públicas para a aquisição de imóveis para Bombeiros e Policiais Militares, eu nunca vi em Rio Branco.
    Quem deu a ordem de disparar tiros é um potencial criminoso, quem acatou a ordem também é outro, e quem colocou empecilhos e todos os tipos de entraves para que Jornalistas, profissionais sérios pudessem tornar público tudo o que REALMENTE estava acontecendo, é criminoso ao cubo.
    Cada caso é um caso e o bom senso, aquele conceito usado na argumentação que é estritamente ligado às noções de sabedoria e de razoabilidade, algo que alguns "colegas" ainda desconhecem, este bom senso deveria estar em primeiro lugar SEMPRE.
    Publique aqui no BLOG tudo aquilo que não foi possível mostrar "in loco" e deixe que a gente faça a nossa parte espalhando para os quatro cantos do Acre e do Brasil para que muitos saibam um pouquinho do que acontece nas terras de GALVEZ ou de CHICO MENDES, como queiram.
    Receba o meu abraço desejando-lhe muita saúde e disposição para fazer o seu trabalho de acordo com aquilo que o seu coração deseja.
    Eu sou Carlos Fonseca, sou Policial Militar e Bombeiro Militar reformado do Estado do Acre, Radialista, Artesão, Músico e cidadão indignado com aqueles que poderiam usar o poder para fazer a diferença para melhor e não fazem.
    Eu me escondo com minha pequena Familia aqui na Praia de Canoa Quebrada, Aracati, Ceará, e será honra recebê-lo com sua familia e amigos.
    Vai anexo o meu BLOG para que você, se achar oportuno, possa mostrar aos seus muitos leitores assíduos e globalizados.
    Outro abraço e muita LUZ.

    http://bombeirocarlosfonsecaacre.blogspot.com/
    mergulhofonseca@hotmail.com
    (88) 8812-5217

    ResponderExcluir