quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Azia lá, deleite aqui

Lula diz que não perdeu nada por não ler jornais no seu governo

Da Folha Online

Em entrevista à TV Brasil, na noite desta quarta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não perdeu nada por deixar de ler jornais e revistas durante seu mandato. Ele voltou a afirmar que a leitura matinal dos jornais lhe dá azia. Em entrevista no ano passado à revista Piauí, Lula disse que não lia notícias para não ter problemas no fígado.

"Tomei a atitude de não ficar com a raiva que eles [imprensa] pensam que eu vou ficar (...). Pensam que eu vou ler, vou ficar com azia, disse ao [ministro da Comunicação], Franklin [Martins] 'vou parar de lê-los, não vou ficar com azia. E não perdi nada", disse o presidente à TV Brasil.

Íntegra aqui.

Lula molusco!

Por Reinaldo Azevedo

“Não é o meu nome, é o nome de um crustáceo. Pensei que só tinha lula pequena, aquela que a gente faz isca, esses dias vi que tem lula de 17 m, a lula colossal”.

A fala acima é do Babalorixá de Banânia, numa saudação a Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras. Ele se referia ao fato de que a empresa rebatizou os poços de petróleo de Tupi e Iracema: agora eles se chamam “Campo de Lula”. Segundo a Petrobras, as duas áreas têm um volume recuperável de 8,3 bilhões de barris de óleo.

A lula é um molusco, não um crustáceo, e Lula é presidente da República, não um vulto da nossa história. A lei proíbe que áreas públicas sejam batizadas com nomes de pessoas vivas. A desculpa, no caso, é que a Petrobras sempre recorre a nomes marinhos…

Há, assim, a decisão deliberada de escarnecer da lei, recorrendo a um truquezinho vigarista. Nada que não esteja à altura de Gabrielli, o presidente da Petrobras que se entregou, nas eleições, ao mais descarado proselitismo.

Uma mão suja a outra… de óleo. Ontem, depois da “homenagem”, o Babalorixá anunciou a permanência de Gabrielli no cargo. Não esperou que Dilma Rousseff o fizesse. Nomeia quem manda.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Um dia...



Será ao som de Claire de Lune, de Debussy, que um dia hei de comemorar o êxtase do regresso, o equilíbrio definitivo, a fé inabável em uma vida a salvo das aflições comezinhas. E nesse dia não serei mais apenas eu.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

É Natal...



Imagem do fotógrafo Dhárcules Pinheiro.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Protesto solitário e bem humorado



Imagem do fotógrafo Dhárcules Pinheiro.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O peso da farra no bolso do eleitor acreano

A farra patrocinada pelos parlamentares de Brasília, que se auto-concederam aumento de quase 62% de salário, passará a custar mais caro para o eleitor acreano. Serão R$ 192 mil a mais todos os meses para o sustento das excelências. Isso dá R$ 2,3 milhões por ano.

O pior é que a farra será extensiva aos nobres vereadores, o que vai onerar ainda mais o orçamento público. Sem falar que os bacanas do Acre ainda recebem aposentadoria de R$ 23 mil ao mês por quatro anos de prestação de serviços no governo - um brinde que nos foi dado pelo ex-governador Jorge Viana.

Eles tudo podem. A gente só se phode.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Trama companheira

No mês passado a imprensa nacional divulgou que Lula defendia aumento salarial para a companheira Dilma Rousseff, e alguns dias depois a própria disse que, devido ao valor dos vencimentos dos ministros, estava difícil preencher os cargos. Abordei o assunto em dois posts diferentes (aqui e aqui).

Como essa gente não tem vergonha na cara, e os que votam neles menos ainda, o aumento para a companheira Dilma, cujo salário passará de R$ 11,4 mil para mais de R$ 26,6 mil, custará cerca de R$ 1,8 bilhão aos cofres públicos, já que o reajuste sofrerá o chamado efeito cascata.

É claro que essa dinheirama vai fazer falta aos governos. Mas o do Acre haverá de compensar a perda com mais uma ida ao guichê do Banco Mundial.

Estranho orgulho maternal

Releio A História da Filosofia, de Will Durant - livro fascinante que integra a coleção Os Pensadores, da editora Nova Cultural. A obra é essencial para aqueles que sabem (ou pelo menos desconfiam) que filosofia é bem mais do que loquacidade empolada.

Ainda que me arrisque em destrinchar a complexidade de alguns dos principais autores do ramo, estou certo de que suas histórias pessoais são bem mais interessantes que suas cogitações.

É o caso de Schopenhauer. A narrativa de seus insucessos e dissabores, abordados no livro de Durant, me fez lembrar, por conta da releitura, uma senhora, mãe de quatro filhos, a quem um dia tive oportunidade de contar uma das passagens da vida do pensador alemão.

Filho de um comerciante de mau gênio, Arthur Schopenhauer tomou ao pai o caráter prático e a aspereza no trato interpessoal. Era um sujeito casmurro, portanto. A mãe apresentava pendores literários, e em sua época se tornou conhecida autora de romances.

Morto o comerciante, a viúva entregou-se a um estilo de vida "mundano", adotando ela o amor livre como conduta. Abriu também os salões de sua nova residência em Weimar, para aonde se mudou, aos intelectuais mais populares do início do século 19.

Jovem talentoso, Schopenhauer rivalizava com ela a propensão ao brilhantismo intelectual. Ao ponto de Goethe dizer dele que ainda seria um homem muito famoso. A resposta da Sra. Schopenhauer a essa observação não poderia descrever melhor o ódio que reinava entre os dois. Segundo ela, não havia na mesma família lugar para dois gênios.

O relacionamento de ambos se deteriorava de tal forma que, certo dia, durante uma discussão, a escritora empurrou o filho escada abaixo. Foi por essa ocasião que o filósofo disse, ríspido, que a mãe só seria lembrada pela posteridade graças à fama que ele haveria de granjear.

A moral da história é que por trás de muita filosofia de boa reputação pode haver deploráveis acontecimentos familiares. E que por trás de muita família de renome, nenhuma filosofia.

Essa passagem da vida de Schopenhauer eu narrei à senhora citada anteriormente. Ao mencionar que o pensador acertara em sua previsão, acrescentando que ninguém hoje sabe o nome da mãe dele ou é capaz de lembrar-lhe o título de uma única obra, vi pousar-lhe uma sombra sobre o rosto. E compreendi que a narrativa lhe havia ferido o orgulho maternal. Visivelmente incomodada, ela mudou de assunto, como se a predominância do gênio filial sobre a fama materna fosse um sacrilégio imperdoável.

Então senti um forte desejo (devidamente reprimido pela prudência) de acalmá-la com a observação de que, porquanto não fosse ela uma intelectual, menos ainda de renome, seus filhos estavam a salvo de ter o brilhantismo de um Arthur Schopenhauer.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Deve ter sido espancado com lixa de unha...

Acusado de furta (sic) casa quase e (sic) lixado (sic) no conjunto esperança‏

Do rdnoticias.com.br, um site que certamente faz Machado de Assis se revirar no túmulo.

Vejam por que:

"Deuzimar da silva Lisboa de 19 anos, foi preso por policias militares do quarto batalhão na noite de sexta feira 10/12 acusado de tenta furtava varias casas no conjunto esperança .

Segundo a policia o mesmo furtou varias casas mais só não conseguiu devidos aos moradores do local que ao perceberei o acusado partiram para cima do mesmo que só não foi lixado devido a chegada dos policiais que impediram que os moradores lixasse o acusado que ainda levou varias porradas dos moradores segundo u dos moradores o acusado teria tentado furta as casas mais ao percebe a presenças das pessoas o mesmo teria saído correndo pulando de casa em casa mais os moradores conseguiram pegar o mesmo e se não fosse a chegada da policia, o mesmo teria sido lixado.segundo a guarnição que prendeu o acusado o mesmo ainda teria pegado uma faca para tenta reagi a prisão,e que não é a primeira vês que o acusado é preso em outra vez e o mesmo já estava solto praticando novos furtos".

Moral da história: escrever não é pra qualquer analfabeto.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Tenha a santa misericórdia!

Panfleto da Santa Casa de Misericórdia do Acre que circula pela cidade:



Destaquei a parte que interessa, para o leitor ter ideia do "profissionalismo" do responsável pela peça publicitária:

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Que pena



"Olha só você
Depois de me perder
Veja só você
Que pena...

Você não quis me ouvir
Você não quis saber
Desfez do meu amor
Que pena..."

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Cale a boca, jornalista!

GOVERNO ESTUDA REGULAR CONTEÚDO DE RÁDIO E TELEVISÃO

Andreza Matais, da Folha em Brasília

primeira versão do projeto do governo para o setor de telecomunicação e radiodifusão prevê a criação de um novo órgão, a ANC (Agência Nacional de Comunicação), para regular o conteúdo de rádio e TV.

A Folha teve acesso à minuta da proposta, batizada de Lei Geral da Comunicação Social. O texto tem cerca de 40 páginas e vem sendo mantido em sigilo.

(...)

Para o governo, a agência não significa censura, porque o conteúdo será analisado depois de veiculado.

Representantes do setor, porém, avaliam que a proposta abre brechas para cercear jornalismo e dramaturgia. Além disso, dizem, a Constituição já prevê punição para os abusos.

A criação da agência para regular conteúdo tem apoio de entidades que defendem o "controle social da mídia".

Íntegra aqui.

Comento
A sanha companheira pelo controle da mídia pôde ser vislumbrada durante todo o mandarinato do Sr. Luiz Inácio. Laivos de autoritarismo não faltam aos que atribuem à liberdade de expressão a grande ameaça ao projeto de eternizar-se no poder. Nesse quesito, o Acre tem know how a exportar. Nossa esperança consiste na constatação de que lá fora os empresários da comunicação não dependem dos caraminguás estatais que por aqui fazem a felicidade de meia dúzia de doutos comerciantes do ramo.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Pela quarta vez, às voltas com os brabos da Amazônia

Ocupo-me no momento da revisão de Amazônia dos Brabos. É a quarta que faço desde que botei, há sete anos, um ponto final na história de João Gabriel de Carvalho e Melo. Faço-o novamente não apenas por desvelo profissional, mas por ter percebido na edição do Senado que a revisora extrapolou sua função ao decidir meter o bedelho onde não devia. Parece brincadeira que alguém resolva em dois ou três segundos rearranjar aquilo que levou semanas ou meses para ser concebido e organizado.

A revisão, claro, tem uma razão de ser: vou reenviar o romance às editoras para tentar republicá-lo, desta vez dentro de um esquema profissional.

Desejem-me sorte.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Geometria (ou aritmética) do amor

Se a vida fosse como a geometria, bastaria que traçássemos uma linha reta e nela seguíssemos sem tropeços. Eu, por exemplo, me encerraria em meu quadrado para ver o tempo passar - sem angústias ou desejos, sobressaltos ou rancores, apenas a doce disposição de não fazer parte do drama exasperante do cotidiano. E criaria uma paráfrase de Spinoza, que em sua Ética Demonstrada à Maneira dos Geômetras teve a bondade de nos provar, sob a mais sólida argumentação filosófica, que Deus de fato existe.

Eu, por exemplo, provaria a existência do amor, argumentando nos termos de Spinoza: duas retas paralelas acabam por se encontrar no infinito. O problema é que esse encontro para mim deixou de ser uma possibilidade. Restou-me apenas a constatação de que nem a aritmética explica a minha desdita: 1 + 1 já não são dois.

O pior da vida é quando nem mesmo a teoria nos consola do que nos foi tirado pela crueza da realidade.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

O ganhador

Lêdo Ivo

Tudo o que ganhei se desfez no ar como uma metáfora.
Agora só guardo o que perdi:
o vento que soprava na colina,
a neve que caía no aeroporto
e o teu púbis dourado, o teu púbis dourado.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Entre o risível e o dorido

Situo entre o risível e o dorido a indicação da secretária de Segurança Pública, Marcia Regina, para fazer parte da equipe de transição da presidente eleita Dilma Rousseff (PT). No início, a julgar pelo fato de Dilma ter nomeado a cabeleireira para função idêntica, não vi nada de mais em Dona Marcia aproveitar o ensejo e incrementar o visual, fazendo jus ao carinhoso epíteto de "Barbie" que ganhou entre os subordinados. Mas quando li que ela teria muito a contribuir com as experiências do futuro governo na área da Segurança Pública, o riso secou-me na cara e senti uma dor aguda na região abdominal.

Os eventos recentes sobre a lamentável atuação do crime organizado no Rio de Janeiro agravam-me a impressão de que será quase nula a contribuição de dona Marcia Regina ao futuro governo. Se não damos conta da incipiência de nossos marginais, como poderíamos instruir os outros sobre como lidar com as poderosas organizações criminosas?

No máximo, Dona Marcia Regina poderá ensinar a seus iguais como esconder o jogo da sociedade quando o assunto são as estatísticas da pasta que ela coordena. Alguém aí se lembra da última vez que os números da Segurança foram divulgados pelos jornais? Eu, sim: foi na época em que a Dra. Salete Maia respondia pela secretaria estadual, e com recursos do Programa Nacional de Segurança Pública, de FHC, conseguiu investir no aparelhamento das polícias e aumentar a eficiência do combate à criminalidade.

É claro que a iniciativa de esconder o jogo não foi de Dona Marcia Regina. Ela apenas segue as regras que encontrou ao aceitar o cargo. Pensando bem, nem mesmo esse macete ela poderá ensinar aos aliados do Planalto. Quem se der ao trabalho de visitar o site do Ministério da Justiça verá que o governo federal não atualiza os dados da Segurança Pública do país desde dezembro de 2005.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Não era da Difusora Acreana

Recebi ligação na tarde de hoje do colega Leônidas Badaró, diretor de jornalismo da Rádio Difusora Acreana. Ele explicou, a propósito do post aí abaixo, que o texto mencionado (Registro de casos de leishmaniose em Xapuri preocupa autoridades) não é da lavra da RDA.

Segundo Badaró, as informações do interior são enviadas em forma de áudio, e funcionários da Difusora transcrevem os textos e os repassam a diários locais. Ele alega que nesse caso a matéria, conforme reproduzida aqui, não pode ser atribuída à empresa de comunicação estatal.

Uma imagem vale por mil palavras vazias

Ontem (23 de novembro) foi o Dia dos Rios. O fotógrafo Dhárcules Pinheiro fez algumas imagens do rio Acre, onde o esgoto da cidade é jogado in natura graças à negligência dos governantes da florestania.

As fotografias desmentem o discurso de que essa gente zela pelo patrimônio ambiental acreano.





terça-feira, 23 de novembro de 2010

Impregnado pela ignorância

O texto abaixo é oriundo da Rádio Difusora Acreana e evidencia o nível da comunicação estatal. Para quem não quiser perder tempo com o desnecessário, basta visualizar o vacábulo "impregnado" que negritei três vezes conforme grafado no original e os períodos em itálico.

Aos mais atentos ficará pendente outra questão: se cortinados embebidos em veneno distribuídos na região de Xapuri pelo governo combatem a malária e a leishmaniose, por que a primeira recrudesceu e a segunda avança?

E pensar que redatores dessa estirpe lotam as redações acreanas e alguns são remunerados a partir dos impostos que pagamos. Graciliano Ramos, escritor genial e revisor rabugento, saberia qualificar esse tipo de gente: "Asnos!", disparava contra os autores de textos como o que vai reproduzido aqui.

Registro de casos de leishmaniose em Xapuri preocupa autoridades

O Governo do Estado distribuiu na zona rural do município de Xapuri 339 cortinados para cama e 123 mosquiteiros para rede nos seringais 2 Irmãos, Equador 1 e Mucuripe. Os mosquiteiros e cortinados são ipreguinados de venenos que além de impedir a entrada, ainda mata os mosquitos.

Os mosquiteiros foram comprados pelo Governo do Estado com recursos oriundos de emenda parlamentar individual do senador Tião Viana e se constitui em poderosa arma no controle da malária. No município a doença está controlada, o que está assustando é o alto índice de leishmaniose.

De acordo com o gerente de endemias do núcleo da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), em Xapuri, Joaquim Vidal, os mosquiteiros e cortinados também combatem o mosquito da leishmaniose. O gerente disse que este ano, Xapuri teve apenas um caso de malária registrado em uma fazenda localizada às margens da BR-317.

Com relação a leishmaniose, Joaquim Vidal disse que até o mês passado tava em torno de 168 casos registrados da doença. “Isso já pode estar bem acima desse número, pois o índice é crescente no município, fato que preocupa as autoridades”, disse o gerente.

Joaquim Vidal disse ainda que aguarda mais mosquiteiros e cortinados ipreguinados para combater o vetor da leishmaniose, no município. Segundo ele posteriormente famílias de outras regiões ameaçadas pela leishmaniose também receberão cortinados.

Segundo Joaquim Vidal, a gerência de endemias do estado garantiu 5 mil mosquiteiros ipreguinados. De acordo com Vidal, foram entregues até o momento 462 mosquiteiros, porque a gerência só libera conforme o trabalhando realizado nas localidades.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Humano, demasiado humano

Costumo dizer que a ingratidão é a mãe de todos os defeitos. Nada pior que um ingrato em nossas vidas. E eles existem aos montes, atravancam nossos caminhos, tropeçam sobre nós a todo momento.

E o que dizer da mesquinhez? Nenhum sentimento é mais revelador da nossa triste condição humana. O homem é mesquinho por temperamento, e a intensidade de suas mesquinharias estará quase sempre associada à sua condição econômica. Um rico que se agasta por ninharias será, portanto, uma aberração da natureza.

A literatura eternizou esse sentimento em personagens como a agiota Alyona Ivanova, de Crime e Castigo, de Dostoyevski. O romance, escrito em russo e publicado em 1867, é uma novela psicológica sobre a culpa. Raskolnikov, um jovem estudante que deve a Alyona Ivanova, acaba por assassiná-la ante a idéia de que a velha não passa de um verme humano e que matá-la seria um serviço para a raça humana.

Sempre que penso na mesquinhez, me lembro do romance de Dostoyevski. E a figura de Alyona me remete a uma senhora de quem fui inquilino, e que arredondava para mais os centavos da conta do aluguel e da luz. Rica proprietária de imóveis, a velha chorava miséria como se fosse ainda mais pobre que eu. E apenas me fazia rir com sua mania de me subtrair alguns centavos todos os meses.

Vivia mal, a velha senhora. Vestia-se com molambos, comia marmitas, não assinava a carteira profissional das empregadas - sempre avara, doente e apegada aos tostões.

Morreu de velhice, ao contrário da personagem de Crime e Castigo. Mas como Alyona, levou a vida como escrava do vil metal.

Nada, nada mais humano que a mesquinhez. E pouquíssimas coisas são tão risíveis neste mundo quanto sujeitos endinheirados a se passarem por pobretões.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Obrigado, deputado Luiz Calixto!

Por Antonio Stélio, jornalista

No meu tempo de militância estudantil participava de uma turma, em Ribeirão Preto, que tinha o sonho de justiça social alimentado pela injeção de metáforas poéticas.

Pela poesia rebelde, claro.

E, poeta que era, destacava-me não só pela produção literária pessoal, mas esbanjava no repertório. Apaixonado que era pela leitura, também recitava versos de grandes vates europeus.

Sempre em companhia de uma boa cerveja, evidentemente.

Dentre os versos que declamava amiúde estava um de Berthold Brecht - dramaturgo e poeta alemão -, muito na moda para os rebelados da década fatídica de setenta, que dizia:

- Há homens que lutam um dia, e são bons; há outros que lutam um ano e são melhores; existem também aqueles que lutam muitos anos, e são melhores ainda; porém, existem aqueles que lutam a vida inteira, e estes são imprescindíveis!

Muitos desses versos caíram em desuso ou até se tornaram piegas para a geração da parafernália eletrônica. Mas, as palavras de boas verves, os versos que ardem à queima-roupa jamais perdem o viço, a forca mística.

A palavra e o seu significado, afinal, foi o que mudou o mundo. Não foi a invenção da roda nem a descoberta do fogo. O que alavancou a história e fez a joça desse mundo se mover foi a descoberta da palavra.

Do poder da palavra sobre o homem.

Por isso, como cidadão acreano, como jornalista e observador do cenário político do Acre, não posso deixar de ofertar os versos de Brecht ao deputado Luiz Calixto, o último dos seringueiros-gladiadores que se posta contra a ignomínia e a desfaçatez dos lobos travestidos de cordeiros.

E ele ficou mais forte no limbo da luta.

Sempre se manteve firme na peleja. E pagando um preço que somente ele pode aquilatar. O que enfrentou - e ainda enfrenta - revela a alma de um lutador e o espírito de um acreano que honra a memória de nossos antepassados.

O deputado Luiz Calixto, como bom cabrito, não berra.
Eis um sujeito que honra a calça que veste.

Luiz Calixto talvez tenha sido a pessoa mais perseguida politicamente na última década em todo o Estado; ele teve seu telefone permanentemente grampeado; como parlamentar foi deveras monitorado, e até hoje se encontra vitimado pelo ódio dos que se acham donos do Acre, inclusive da alma de toda a gente que o habita.

Mas ele resistiu a todas as intempéries.

Claro, sofreu. E também não deixou de sentir dor. Tornou-se estoico, no entanto, depois de calejado. Calixto não se rendeu nem caiu nas arapucas que lhe foram armadas. Prevaleceu sua sina de guerreiro guiado por sua convicção política. Prevaleceu o caráter do homem.

De um homem com vergonha na cara.

Por motivo alheio à minha vontade, não pude acompanhar o pleito deste ano. E agora que retornei convalescente entristeci-me com a sua não reeleição. Conforta-me, entretanto, a certeza de saber que Calixto, como um voraz animal político, vai dar um jeito de manter viva a sua tão necessária trincheira. Para a nossa sorte.

Por isso não me escuso em dizer: obrigado, Calixto.

Você será sempre imprescindível.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

PARTIDO DA SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA – PSPC

Recebo a seguinte mensagem em forma de comentário no blog:

PARTIDO DA SEGURANÇA PÚBLICA E CIDADANIA – PSPC

Caro colega,

Sou Tenente QOPMA da PMDF, estamos criando o Partido da Segurança Pública e Cidadania (PSPC) e já concluímos nosso Estatuto e o Programa do Partido. Estamos formando a Comissão Executiva Nacional Provisória e precisamos de vocês para formamos as comissões Estaduais e Municipais. O Partido nasce para lutar em defesa dos Policiais de todo Brasil,precisamos eleger uma Grande bancada no Congresso Nacional, bem como nos Estados, para que os chefes dos Executivos se vejam obrigados a negociar conosco, quando precisarem aprovar qualquer projeto, aí sim nós poderemos dar as cartas.

Nós da PMDF melhoramos muito o nosso salário e as condições de trabalho, porque ao longo anos elegemos vários parlamentares e com isso pudemos exigir dos Governantes melhorias para nossa Corporação e conseguimos. Nós da Segurança Pública somos a maior força política do País e vamos nos unir para levar as melhorias conseguidas pela PMDF para todas corporações, sem distinção de instituição ou Estado.

Precisamos montar as comissões nos Estados e Municípios, precisamos filiar nossos parentes, precisamos de 500 mil assinaturas de apoio em todo País(qualquer pessoa pode assinar seu apoio,inclusive Militares), agora para filiação, militares não podem, mas os parentes sim. Ajude-nos meu amigo (a), passando esta msg para quantas pessoas vc puder, estou a sua disposição para que possamos fortalecer esse movimento, meu fone em Brasília (61) 8403 8799, na próxima semana o site do partido ( http://www.pspcbrasil.com.br ) entrará no ar com modelos do Estatuto e Programa do Partido. Vamos apresentar aos Brasileiros o mais eficiente e audacioso Projeto de Segurança Pública jamais visto no País, que terá como base "A EDUCAÇÃO"

- VAMOS LUTAR PELA VALORIZAÇÃO E O RESPEITO AO POLICIAL.

- POLICIAL TEM QUE RECEBER SALÁRIO DIGNO.

- SEGURANÇA É QUALIDADE DE VIDA.

- JUNTOS SEREMOS FORTES.

TEN FARIAS
(Assim que receber essa mensagem de o retorno pelo fone ou pelo email, essa é nossa oportunidade de vencermos, conto com vocês para montarmos nosso diretório aí no seu Estado e nos Municípios).

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Se eu fosse o Tiririca

Por Gilberto Dimenstein, da Folha

Nunca, em toda a sua história, um país acompanhou tão atentamente uma redação, como ocorreu agora com o Tiririca, obrigado a provar que sabe ler e escrever. Só o fato de ter de fazer esse teste já demonstra que ele esteve muito longe do ensino. Ele teria uma chance agora de fazer um lance de marketing maravilhoso e, ao mesmo tempo, ajudar o país - e sem o menor esforço.

Se eu fosse o Tiririca, eu daria um lição a todos os que debocham (e com razão são muitos) e faria da cobrança por uma educação melhor uma plataforma permanente. Começaria reconhecendo que a vida não lhe deu as condições necessárias para estudar, mas sabe de sua importância. Teve até sorte de se virar bem como palhaço, mas é uma ínfima minoria. Montaria uma assessoria capaz de acompanhar números, analisar projetos em andamento e, quem sabe, até propor soluções. Pediria ajuda a entidades como Unicef, Unesco, Todos pela Educação, para embasar suas propostas. Todos, posso garantir, teriam prazer em ajudar se tivessem a segurança de que não se trata, digamos, de uma palhaçada.

Com sua capacidade de comunicação com as camadas mais pobres, seria um belo e produtivo exemplo.

O leitor, a essa altura, deve estar achando que, com essas ideia, eu devo ser uma espécie de Tiririca sem graça. Talvez.

Mas, provavelmente, a educação só será realmente vital em nossa nação quando não elegermos Tiriricas. Ou, se elegermos, pudermos vê-los fazendo coisas sérias. Nada pode ser mais sério para alguém acusado de analfabeto do que defender a educação.

O Acre que eles fingem não existir

Dramática a matéria do programa Conexão Repórter, exibida ontem (quinta-feira) sobre a venda do “oxi” na capital acreana. Roberto Cabrini e equipe mostraram como nossas fronteiras são vulneráveis ao comércio de drogas ilícitas e de que forma o oxi, uma droga pior que o crack, está destruindo a vida de milhares de acreanos.

E pensar que em 2006 o programa do então candidato à Prsidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) alertou o país para a vulnerabilidade das fronteiras acreanas, e a reação da Frente Popular do Acre foi uma chorumela eleitoreira.

Cabrini revelou como o subdelegado Eduardo Padilha, de Assis Brasil, deplora a estrutura da Polícia Civil no município. Ameaçado de morte, Padilha falou sobre os pontos em que os traficantes peruanos embarcam as drogas em batelões que as fazem chegar à capital acreana. Detalhe revelado pelo delegado: as polícias Civil e Federal não possuem um barco sequer para patrulhar a região.

O programa completo pode ser visto pela internet, clicando aqui.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Perguntinhas filosóficas

Leio artigo escrito pelo ex-deputado federal Marcos Afonso em seu blog sobre a Frente Popular do Acre. O idealizador de uma sociedade de filosofia que se reúne aos sábados usa Descartes para falar de política.

Marcos Afonso faz três perguntinhas ao final do artigo (íntegra aqui).

De onde viemos?

Aonde chegamos?

Para onde (sic) iremos?


Alguém aí quer responder?

Agora, eles só falam em dinheiro!

Para Dilma, salário de ministro está defasado e dificulta preenchimento do cargo

Da Folha

Em visita à Coreia do Sul, a presidente eleita, Dilma Rousseff, disse que, se não houver aumento salarial no Executivo, "não vamos ter ministros no Brasil", mas se recusou a falar sobre eventuais reajustes nas remunerações do Congresso e do Supremo Tribunal Federal.

"Nessa história [aumento do salário do Legislativo vinculado a um aumento para o de presidente], eu sou a última a saber. Agora, de fato alguma coisa vai ter de ser feita em relação ao salário dos ministros. Porque, caso contrário, nós não vamos ter ministros no Brasil. É muito defasado em relação ao mercado", afirmou, em rápida entrevista a jornalistas brasileiros no saguão do hotel onde está hospedada.

Íntegra aqui.

Comento
Dona Dilma acha que o povo brasileiro é idiota - e tem razão! Enquanto os partidos da base aliada se estapeiam para abocanhar o maior número de ministérios no novo governo, ela afiança que o país não terá ministros se não houver aumento. É muita desfaçatez.

Não é por outro motivo que essa gente sonha com a volta da CPMF. Sem ela fica difícil ampliar a cascata de mordomias que eles criticaram a vida inteira e que agora usufruem sem o mínimo pudor.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O fenômeno das borboletas

Por Mariana Teles

Desde o fim da semana passada, o céu da capital acreana está decorado por uma revoada de borboletas. Populares admiram e contestam a razão do fenômeno no céu acreano. A resposta é que essa grande quantidade de borboletas está em migração.

A borboleta, quando completa sua metamorfose, tende a voar para longe, tendo em vista que seu ciclo de vida é curto. Pesquisas com o monitoramento do vôo das borboletas definiram classificação em dois tipos: o vôo rápido, em linha reta, no qual a borboleta se desloca em velocidade nas rotas migratórias e o vôo lento, em voltas e círculos, com o propósito de encontrar alimentos, locais para depósito dos ovos e futura hibernação.

Conclui-se que o que está acontecendo aqui é uma migração de borboletas. No Acre, costuma-se ver os paná-paná (coletivo de borboletas) em beira de rios. Todavia, ainda assim o fenômeno é tido como incomum pela população. “Eu nunca tinha visto tantas borboletas no céu antes”, afirma o comerciante Inácio Neres. “Nada mais lindo do que poder ver que o céu está cheio de borboletas voando para o mesmo rumo”, comenta a empresária Fernanda Flores.

O técnico da Secretaria de Estado de Meio Ambiente Jesus Rodrigues explica que em locais que tem as quatro estações bem definidas é mais nítida a migração delas no fim do outono. Mas no Acre, em que cada temporada não é tão clara, a migração está acontecendo nessa época, porque nesse ano está havendo um longo período com altas temperaturas.

As mudanças climáticas provocam alterações no habitat e elas migram para locais que tenham clima mais ameno. A bióloga Mavi Souza conta que essa não é a primeira vez que ocorre esse fenômeno – ele aconteceu também em 2005, que foi um ano de grande seca.

As mudanças globais já são nítidas até em um bioma como a Amazônia e um fenômeno que é tão bonito, é também um alerta.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Boçalidade sem limites

“Quando há crise nos países ricos não tem ninguém dando palpites de como resolverem o problema. Então, eu estou dando um palpite: façam como se faz no Brasil que as coisas ficam mais fáceis.”

Do presidente Lula, o cara, ao referir-se à declaração de Barack Obama, segundo a qual "o que é bom para os Estados Unidos é bom para o mundo".

Começou a sacanagem

Para Lula, aumento dos salários do Congresso e de Dilma é 'justo'

Da Folha

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira que é "justo" e "necessário" o reajuste dos salários do Executivo e do Legislativo.

Lula argumentou que o fim da legislatura é o momento certo de aprovar aumento de salários.

O presidente lembrou de episódio que ocorreu quando foi eleito em 2002, ano em que o Congresso reajustou seus vencimentos e desconsiderou a Presidência da República. Irritado, afirmou que foi vítima de "sacanagem".

Leia mais aqui.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Lições a Lula

Entrevistado pela revista Veja (edição do dia 3), Fernando Henrique Cardoso é perguntado se de fato existe rivalidade entre ele e o presidente Lula. Resposta de FHC:

"Da minha parte, garanto que não. Da do Lula, parece existir tal rivalidade. Não sei por que ele insiste tanto em comparar-se a mim. Nessa última campanha, por exemplo, falaram o diabo do meu governo, embora eu não fosse candidato. E eu não tenho direito de defesa, veja só! O Lula não precisava de nada disso. Para mostrar o que fez, ele não tem necessidade de tentar desfazer as conquistas do outro. Até porque ele deu continuidade a políticas do meu governo e acrescentou aspectos positivos a elas. O Lula, por exemplo, manejou bem o timão durante a última crise econômica, mas não foi ele quem estabilizou o país. Ele também não criou os programas sociais, mas os expandiu. Fez a sua parte? Fez. Então, por que tentar cancelar o passado e dizer que o Brasil nasceu no seu governo? O Lula não necessita disso como político. O que me leva a pensar que, de fato, ele tem um problema de ordem psicológica em relação a mim..."

Concluo
Não apenas Lula tem problemas de ordem psicológica em relação a FHC como os petralhas em geral parecem ter somatizado alguns traumas incuráveis sobre o tema. Oly Duarte, atual assessor de comunicação da Prefeitura de Rio Branco, certa feita me desafiou com algo do tipo: "Lula é o maior líder político do Brasil. Quem é Fernando Henrique Cardoso perto dele?".

Minha resposta calou o petralhinha: "É aquele que derrotou Lula duas vezes consecutivas na disputa pela Presidência da República, e ambas no primeiro turno".

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Petralha poderosa

Da Folha

No ranking que elegeu as 68 pessoas mais poderosas dentre os 6,8 bilhões de habitantes do planeta, a presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff (PT), ocupa a 16ª posição.

No ranking da "Forbes", divulgado na última quarta-feira, Dilma está à frente de personalidades que incluem o presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, na 17ª posição, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, que está na 19ª posição, e da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que ocupa a 20ª posição.

(...)

O presidente chinês, Hu Jintao lidera o ranking, seguido do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em 2º lugar. Além dos chefes de Estado, o ranking ainda colocou o líder da rede terrorista Al Qaeda, Osama bin Laden como a 57ª pessoa mais poderosa do mundo. Osama é seguido pelo magnata industrial brasileiro, Eike Batista, que está na 58ª posição.

Ah, eles se entendem - e como!

José Sarney (PMDB), o maior batedor de carteira da história, segundo o neo-companheiro Fernando Collor de Mello, é agora uma espécie de porta-voz da presidente Dilma Rousseff (PT). O presidente do Senado disse nesta quinta-feira que Dilma, a pedidos, pretende conceder aumento significativo do salário mínimo.

Segundo Sarney, a petralha eleita vai fazer de tudo para aumentar "substancialmente" o valor do mínimo.

O salário será tão bom que os companheiros e seus apaninguados deveriam sobreviver com um a cada mês - e nada mais que isso.

Veja aqui como a política pode ser a suprema expressão do achincalhe.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Muito honrado

Este blogueiro está todo prosa. A Escola Leôncio de Carvalho fará uma feira literária no dia 3 de dezembro e sou um dos autores homenageados. O professor Gleisson Moura ligou me convidando para um bate-papo com o grupo de alunos encarregados de apresentar meus textos no evento. Moura leciona a disciplina Língua Portuguesa e conhece as crônicas que escrevi na revista Outraspalavras, já extinta. Ele também citou o romance Amazônia dos Brabos.

Nosso encontro será na próxima quarta-feira. A escola fica na Rodovia AC-40, após o Parque Chico Mendes.

O convite é uma deferência e tanto a quem, ao longo de duas décadas, vem dedicando tempo e suor a uma atividade que não visa senão a satisfação pessoal.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Mais uma do jornalismo tupiniquim

A matéria da Rede Amazônica de televisão mostrava um grupo de franceses em visita à capital de Roraima para exibição de um documentário sobre a Amazônia. E o repórter tascou a seguinte pérola: "Fulano de tal explicou o objetivo do projeto em um português que não precisa de tradução".

Lindo, não é mesmo? Pelo visto, o repórter é que está precisando de um bom tradutor.

Jornalismo à Edir Macedo

É insuportável assistir ao jornal da Record, do bispo da Igreja Universal Edir Macedo, quando o noticiário fala sobre Dilma Rousseff. Agora há pouco a reportagem, depois de tudo que se falou sobre a petralha, abordava as mudanças de visual que Dilma sofreu ao longo da campanha eleitoral. E a repórter perguntou, cândida, se o novo corte de Dilma vai virar moda entre as brasileiras.

Para o bem do Brasil, espero sinceramente que não.

sábado, 30 de outubro de 2010

Faltam dois meses para eles viverem no melhor lugar da Amazônia





Os companheiros perdem eleitores, mas nunca a piada.

Imagens do fotógrafo Dhárcules Pinheiro

Pra limpar o tempo e a consciência pesada do deputado Moisés Diniz

Leio no blog do deputado Moisés Diniz (PCdoB) que ele defende a manutenção do horário atual. Vai, portanto, votar no 55 neste domingo. O artigo fala que, vencendo a proposta que defende, Moisés será um ardoroso defensor da correção de "algumas distorções". Segundo ele, "o governo do Estado e as prefeituras devem realizar consultas à comunidade escolar sobre o horário ideal para iniciar as aulas nos três períodos". E os órgãos da administração pública precisarão "seguir a definição das escolas, evitando a contradição entre horário de estudo e de trabalho".

O texto segue discorrendo sobre outras anormalidades temporais para as quais o intrépido parlamentar estaria disposto a criar uma comissão especial na Assembléia Legislativa. A função dessa comissão seria regular, afinal, o horário público que a mudança de horário acabou por desregular.

Moisés também alerta que aqueles que votarem no 77 o terão "como aliado para ajudar a corrigir as distorções". Bonito, não é mesmo?

Se uma mudança acarreta tantos transtornos que não existiriam sem ela, o melhor seria manter as coisas como eram, certo? Sobretudo quando essa mudança não ocasiona dividendos que justifiquem os danos causados.

O que mais me intriga é que só agora, decorridos muitos meses do novo fuso horário, o deputado me venha propor isso e aquilo para corrigir as distorções. Resta-me supor que um plebiscito faz enorme bem à democracia vilipendiada.

Ao contrário de Moisés, votarei no 77. E posso dizer ao deputado que, vencendo a proposta que defendo, ele estará livre da minha magnanimidade.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Um artigo louvaminheiro e algumas considerações

O texto abaixo é do presidente da Fieac (Federação das Indústrias do Estado do Acre), João Francisco Salomão, e foi escrito para a edição deste sábado, 30, do jornal A Tribuna. Em tom laudatório, como era de se esperar de quem se acostumou a espargir louvaminhas sobre as cabeças companheiras, o artigo, a meu ver, trata de temas pertinentes, só que pelo viés errado. O erro de abordagem não é, porém, casual. Resulta da necessidade de exaltar ações que estão antes a exigir as críticas mais contundentes. Mas como estas acarretam contrariedades, e em política as contrariedades geralmente ocasionam prejuízos, alguns optam por emprestar aos fatos as versões mais aprazíveis.

Vamos ao artigo do Sr. Salomão. Entremearei (em azul) seus argumentos com as observações que julgo necessárias.

LUZ PARA TODOS É AÇÃO PRIORITÁRIA

João Francisco Salomão

Foi correta a decisão do governo federal de prorrogar, até dezembro de 2011, o prazo de execução do “Luz para Todos” — Programa Nacional de Universalização do Acesso e Uso da Energia Elétrica. Como se sabe, o projeto foi lançado em 2003, com a meta de acabar com a falta de energia elétrica, um problema que afetava número muito grande de famílias no País. Calculava-se, à época, a necessidade de incluir nesse benefício prioritário, até o ano de 2008, cerca de 10 milhões de pessoas, principalmente do meio rural.

O que o Sr. Salomão chama de "decisão correta" eu denomino de incompetência para cumprir as metas de governo. O Luz para Todos deveria encerrar 2010 com 576 mil novos domicílios ligados à rede de eletricidade. E como isso não será possível, o jeito foi legar ao sucessor a responsabilidade de concluí-lo. Ademais, qualquer referência honesta ao programa precisa esclarecer que ele nasceu Luz no Campo, no governo de FHC.

Em 2009, embora o objetivo tenha se cumprido quase integralmente, o aumento da população e o fato de algumas áreas ainda não terem sido contempladas, exigiram a prorrogação do programa, o que ocorreu até dezembro de 2010. Agora, para que haja tempo hábil para a conclusão de obras em andamento, decidiu-se por nova prorrogação, até dezembro de 2011.

O argumento de que a população beneficiada com o Luz para Todos cresceu é falacioso. A ONU (Organização das Nações Unidas) afirma que em 2005 o Brasil tinha uma taxa de urbanização de 84,2% e suas projeções apontam que até 2050 a porcentagem dos brasileiros que vivem em centros urbanos deve saltar para 93,6%. O êxodo rural decorre de vários fatores, entre os quais a falta de condições dos moradores do campo para produzir, coisa muito comum no Estado do Acre.

O mapa da exclusão elétrica no Brasil, segundo o Ministério de Minas e Energia, órgão coordenador do programa, revelava que as famílias sem acesso à eletricidade eram de baixa renda e viviam majoritariamente nas localidades de menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Por isso, entendemos que a iniciativa tenha significativo potencial como estimuladora do progresso socioeconômico, contribuindo para a redução da pobreza e aumento da renda familiar. A presença da energia elétrica facilita a implantação de empresas, a realização de programas governamentais, atuação do Terceiro Setor e melhor acesso a serviços de saúde, educação, abastecimento de água e saneamento.

O autor fala do assunto como se os acreanos não enfrentassem sérios problemas com os blecautes que infernizam a vida da população e acarretam enorme prejuízos para os comerciantes. Sobre essa triste realidade, nenhuma palavra.

Exemplo da importância do “Luz para Todos” verifica-se no Acre, onde conta com o apoio e defesa da Federação das Indústrias (Fieac). No Estado, até setembro último, a iniciativa já havia levado o acesso gratuito à energia elétrica para 36.492 famílias, beneficiando mais de 182 mil pessoas. A meta é atender 50 famílias até o fim de 2011.

A principal reclamação dos que se viram beneficiados pelo programa no Acre é o valor da tarifa cobrada pela Eletrobras. O cáculo cruel do ICMS, feito até sobre os demais tributos, atinge também aqueles que apenas recentemente saíram da escuridão total.

Quanto aos investimentos, o governo federal contratou R$ 262,6 milhões referente ao Estado, dos quais R$ 199 milhões já foram liberados. Estima-se, ainda, que as obras locais do programa tenham gerado cerca de cinco mil empregos e utilizado 89 mil postes, 13 mil transformadores e 17 mil quilômetros de cabos elétricos.

Integralmente iluminado, o Acre, cuja economia, impulsionada pela indústria, vem crescendo acima da média nacional, terá condições ainda melhores para avançar em seu processo de desenvolvimento.

O artigo sai no momento em que o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Brasiléia, Rosildo Rodrigues de Freitas, denuncia a ineficiência no fornecimento de energia elétrica distribuída para a zona rural, através do projeto Luz Para Todos. A matéria foi publicada no site O Alto Acre. No último blecaute, Rosildo Freitas, que mantém um criadouro de aves localizado no km 29 da Estrada do Pacífico, perdeu 2.280 frangos. Eles não suportaram o calor e morreram. O problema seria evitado se o fornecimento de energia não fosse precário.

O fato ilustra que a realidade do programa no Acre está longe de corresponder à versão otimista do presidente da Fieac.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Poema de Finados

Com os Mortos
Antero de Quental

Os que amei, onde estão? Idos, dispersos,
arrastados no giro dos tufões,
Levados, como em sonho, entre visões,
Na fuga, no ruir dos universos...

E eu mesmo, com os pés também imersos
Na corrente e à mercê dos turbilhões,
Só vejo espuma lívida, em cachões,
E entre ela, aqui e ali, vultos submersos...

Mas se paro um momento, se consigo
Fechar os olhos, sinto-os a meu lado
De novo, esses que amei vivem comigo,

Vejo-os, ouço-os e ouvem-me também,
Juntos no antigo amor, no amor sagrado,
Na comunhão ideal do eterno Bem.


Foto: Dhárcules Pinheiro

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Com a pior das intenções

No dia 24 de julho registrei, na coluna Prisma, do site agazeta.net, o entusiasmo chauvinista do governador Binho Marques, ao falar da Expoacre 2010: "Ela mostra como é pulsante a economia do Acre”, disse ele a jornalistas, num arroubo de satisfação ante a miragem de que vivemos no melhor lugar da Amazônia.

Eis que hoje, porém, a humildade e o bom senso bateram à porta dos petralhas. Às vésperas de uma eleição que pode mudar de uma vez por todas o destino da Frente Popular do Acre, o senador sem votos Aníbal Diniz resolveu contar a verdade sobre a realidade acreana:

Mesmo os que votaram na Marina ou no Serra no primeiro turno agora têm a chance de votar na Dilma porque ela é o melhor para o Acre. Nós dizemos isso porque a dependência do Acre do governo federal ainda é muito grande..."

Sem o dinheiro que vem de Brasília, seríamos os primos pobres dos haitianos. Assim mesmo, o ex-governador Jorge Viana teve o desplante de dizer outro dia que ajudamos a sustentar o Estado de São Paulo.

Para essa gente, a mentira é uma arma poderosa. E até quando elles dizem uma verdade incontestável, o fazem com a pior das intenções.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Veneno de escorpião azul

A agência AFP de notícias revelou nesta segunda-feira que Cuba, o feudo dos irmãos Castro, vai lançar remédio contra o câncer feito a partir do veneno do escorpião azul. A matéria afirma que o novo medicamento foi usado "com bons resultados" em 10 mil doentes de câncer.

Segundo a AFP, "O Vidatox é um remédio elaborado com a toxina do escorpião azul (Rhopalurus junceus)" e será lançado em breve no mercado. O fármaco teria eficácia comprovada contra 15 tipos de tumores diferentes.

Quanto ao câncer do regime político que assola os moradores da ilha, não há antídoto à vista.

Queixa



"Um amor assim violento
Quando torna-se mágoa
É o avesso de um sentimento
Oceano sem água

Ondas, desejos de vingança
Nessa desnatureza
Batem forte sem esperança
Contra a tua dureza"

sábado, 23 de outubro de 2010

A onipotência da tagarelice

Por Olavo de Carvalho, filósofo

Os signatários do recente manifesto de acadêmicos em favor da candidatura Dilma Rousseff apresentam-se, com modéstia exemplar, como "professores e pesquisadores de filosofia". Não ousam denominar-se filósofos porque no fundo sabem que não o são nem o serão jamais, mas também porque esperam que a mídia, por automatismo, lhes dê essa qualificação imerecida ao publicar a porcaria com o nome de "Manifesto dos Filósofos", conferindo-lhes o título honroso no mesmo ato em que os dispensa do vexame de atribuí-lo a si mesmos.

A filosofia surgiu na Grécia como um esforço de apreender e dizer o "ser" das coisas. A palavra "ser" implica o reconhecimento de uma realidade objetiva estruturada, inteligível, comunicável de homem a homem. O empreendimento filosófico voltava-se diretamente contra uma tradição de ensino para a qual o ser e a realidade objetiva não contavam, podendo ser livremente inventados pela força da palavra e da persuasão. Essa tradição denominava-se "sofística".

Decorridos vinte e cinco séculos, a denominação inverteu-se. O que se chama de filosofia em muitas universidades, especialmente no Brasil, é a convicção de que não existe realidade nenhuma e tudo é construído pela linguagem. Quem ouse praticar a filosofia no sentido que tinha em Sócrates, Platão e Aristóteles, é marginalizado como reacionário indigno de atenção. A sofística, com o nome de "desconstrucionismo", é o que hoje ostenta nos documentos oficiais o nome da sua velha inimiga, a filosofia.

Atribuindo psicoticamente à fala humana o poder criador do Logos divino, Martin Heidegger, militante nazista aposentado e um dos ídolos do establishment acadêmico, declara: "A linguagem é a morada do ser" – como se o ato de falar existisse fora e acima da realidade, e não dentro dela.

No mesmo espírito, Ernesto Laclau, no livro "Hegemonia e Estratégia Socialista" – talvez a proposta política mais influente nos meios esquerdistas das três últimas décadas – ensina que o partido revolucionário não precisa representar nenhum interesse social objetivo e nenhuma classe existente: pode criar esse interesse e essa classe retroativamente, pela força do discurso e da propaganda. O PT, que surgiu como partido de estudantes e socialites, gabando-se por isso de ser a voz das pessoas mais inteligentes (v. o estudo feito em 2000 pelo cientista político André Singer: http://epoca.globo.com/edic/20000717/brasil3a.htm), criou com dinheiro do governo a classe pobre que o apóia, e passou desde então a ser o partido dos desamparados e analfabetos, condenando os outros partidos como representantes da elite letrada. Na mesma lógica, a "democracia", segundo Laclau, é um "significante vazio", ao qual o partido revolucionário pode atribuir o sentido que bem lhe convenha. O PT designa com esse nome a aliança entre o governo e as massas alimentadas com dinheiro dos impostos, aliança montada em cima da destruição de todos os poderes intermediários, a começar pela mídia. Que essa aliança e essa destruição, historicamente, tenham sido a estratégia essencial de todos os regimes tirânicos do mundo (leiam Bertrand de Jouvenel, "Do Poder: História Natural do seu Crescimento"), é um detalhe irrisório: o "significante vazio" admite todos os conteúdos – com a vantagem adicional de que o eleitorado, ao ouvir a palavra "democracia" nas bocas dos próceres petistas, imagina que se trata de democracia no sentido tradicional do termo, porque não leu Ernesto Laclau e não sabe que eles a usam como palavra-código de duas caras, com um significado esotérico para os iniciados e outro, exotérico, para enganar os trouxas.

Não espanta que os servidores das duas maiores mentiras do século XX – o comunismo e o nazismo – tenham acabado por aderir maciçamente à teoria da onipotência criadora das palavras. Essas ideologias juravam basear-se numa descrição completa e objetiva da realidade, capaz de fundamentar a previsão acertada e científica do curso da História. Quando a História as desmentiu da maneira mais acachapante, os adeptos de ambas as correntes, em vez de penitenciar-se de seus erros e crimes, preferiram redobrar o blefe: apelaram ao desconstrucionismo e proclamaram que a realidade não existia mesmo, que tudo era uma questão do jeito de falar.

Também não espanta que, nessas condições, os inimigos de ontem se tornassem amigos, unidos no mesmo projeto sublime de trocar os fatos por uma ficção verbal eficiente. É por isso que tantos comunistas e socialistas amam de paixão os nazistas Martin Heidegger e Paul de Man. Nada une as pessoas mais apaixonadamente do que um projeto solidário de ludibriar todas as outras.

O Manifesto, por exemplo, declara que "Dilma Rousseff tem sido alvo de campanha difamatória baseada em ilações sobre suas convicções espirituais e na deliberada distorção das posições do atual governo sobre o aborto."

Em que consiste a "campanha difamatória"? Em dizer que a candidata petista defende a liberação do aborto. E a "deliberada distorção das posições do atual governo sobre o aborto"? Consiste em dizer que o governo quer liberar o aborto.

Desde quando publicar verdades bem documentadas é "campanha difamatória"? A lógica dessa rotulação é a mesma que o conhecido "professor e pesquisador de filosofia", João Carlos Quartim de Moraes, seguiu quando se gabou de ter cumprido pena de prisão pelo assassinato do capitão americano Charles Chandler e em seguida saiu posando de difamado ao ver que, iludido por essa declaração, da qual não tinha motivos para duvidar, eu o qualificava de assassino político condenado pela Justiça. Segundo Quartim de Moraes, acreditar em Quartim de Moraes é crime. Mudar de significado no dia seguinte é um dos mais deliciosos privilégios da mentira.

Do mesmo modo, quem assista ao vídeo http://www.youtube.com/watch?v=TdjN9Lk67Io, e ali veja e ouça Dilma Rousseff expressando seu apoio irrestrito à liberação do aborto, se tornará automaticamente um difamador se acreditar que ela disse o que disse.

No mesmo espírito do manifesto, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos jura: "O PNDH-3 não trata da legalização do aborto. Sua redação sobre o tema é: 'Considerar o aborto como tema de saúde pública, com garantia do acesso aos serviços de saúde'."

Todo leitor no pleno uso de suas faculdades mentais compreende imediatamente que "garantir o acesso ao serviço de saúde" é até mais do que legalizar o aborto: é sustentá-lo com dinheiro público. Mas compreender o sentido originário do texto é crime, porque, segundo a escola de pensamento dominante, nenhum texto tem sentido originário nenhum: o que vale é o sentido retroativo que a parte interessada lhe atribui quando vê nisso alguma vantagem. Os signatários do Manifesto foram educados na mentalidade "desconstrucionista" que apaga a realidade e o sentido para lhes substituir a "vontade de poder" (além de Heidegger, eles adoram Nietzsche) e a estratégia da tagarelice onipotente. É compreensível que, nessas condições, desejem ardentemente passar por filósofos, mas, no íntimo, se sintam um pouco inibidos de declarar que o são.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Elles odeiam a livre imprensa

Não dá pra calar um jornal como o Estadão, não é mesmo? É por isso que elles odeiam a imprensa independente. E é por isso que fazem de tudo para subjugá-la via planos nacionais de direitos humanos.

Clique no título abaixo e veja por quê.

JORGE VIANA TENTOU BARRAR INVESTIGAÇÃO

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

"Jornalismo" petralha

O Blog da Dilma repercutiu nesta quinta-feira a farsa apresentada pelo site oestadodoacre.com, do jornalista Roberto Braña, segundo a qual um eleitor da candidata petista teria sido morto, em Porto Acre, por um simpatizante tucano. O motivo do crime teria sido uma brincadeira com um adesivo da candidata.

A notícia do assassinato de Claudio Pereira Martins, 28, por Valdecir Ferreira Miranda, com um tiro de espingarda calibre 16, foi divulgada pelos jornais locais na quinta-feira, 14, com versão bem diferente daquela. Os jornais apuraram que o autor do crime dizia aos conhecidos que arrumaria um jeito de ir parar na penal, onde o companheiro da ex-mulher de Valdecir cumpre pena por ter espancado até a morte o filho deste.

Apenas oestadodoacre.com vislumbrou um crime político onde estão claros os indícios de que a causa da violência gratuita foi excesso de bebida alcoólica e transtorno emocional.

É que o "jornalismo" petralha dá mais valor à conveniência das versões que ao rigorismo dos fatos.

Nas barras da justiça

Participei hoje pela manhã da segunda e última audiência no Juizado Especial de Pequenas Causas, para onde fui levado por causa de uma postagem no blog. O que era para se configurar uma brincadeira virou processo por danos morais. O jornalista e assessor da mesa diretora da Assembleia Legislativa do Acre, Roberto Braña, se sentiu ofendido e exige compensação financeira de R$ 10,2 mil.

Ambos fomos ao tribunal sem advogado e defendemos nossos pontos de vista. Caberá agora ao juiz arbitrar se houve ou não dano à "imagem" do coleguinha. A sentença deverá sair em 60 dias.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O que me cansa é a pantomima



O PV do Acre aderiu à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência do Brasil. Beleza. Dias atrás, a notícia foi alardeada como um feito da direção estadual do partido. Os jornais noticiaram o fato como se ele não fosse a mais notória expressão do óbvio. Pendurados nos cabides do poder público há mais de uma década, os verdes não poderiam adotar como medida senão seguir o chefe petista, no caso o governador eleito Tião Viana. Mas entre nós parece não haver muitos jornalistas dispostos a fazer cálculos como esse.

Para mim não há problema em que as coisas sigam seu curso natural. O que me cansa é a pantomima que tenta desmoralizar a inteligência alheia. A minha, por exemplo, se ressente quando meia dúzia já decidiu o que fará e o faz como se a decisão houvesse passado por extenuante e democrática discussão. E ainda saem correndo para contar ao chefe a "novidade".

Não fosse a postagem de hoje no blog do deputado Moisés Diniz (PCdoB), eu teria dado o assunto por encerrado. Segundo ele, o PV do Acre "não lavou as mãos como fez Pilatos". Moisés não apenas empresta um inoportuno caráter religioso à questão (já que de santa ela não tem nada), como também contribui, a sua maneira, com essa pantomima fajuta.

A imagem do post é do site smokingpot.org.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Da série "amiguinhos do Lula" (4)

CRISTINA KIRCHNER DEFENDE NACIONALIZAÇÃO DA IMPRENSA ARGENTINA

Do Estadão online

A presidente argentina, Cristina Kirchner, defendeu a nacionalização da imprensa do país em discurso nesta terça-feira, 19. Cristina disse ainda que os meios de comunicação precisam defender os interesses do país e não os estrangeiros.

"Às vezes penso se não seria importante nacionalizar - não estatizar - os meios de comunicação para que adquiram consciência nacional e defendam os interesses do país - não os do governo", disse a presidente em uma inauguração em Mercedes, na província de Buenos Aires, segundo o jornal Clarín.

[...]

A má relação da presidente com a imprensa, que sempre foi tensa, piorou nos últimos meses. Em agosto, Cristina afirmou que pretendia adquirir o controle da Papel Prensa, a principal fabricante de papel jornal do país, da qual o Estado, o grupo Clarín e o La Nación são acionistas.

Íntegra aqui.

Comento
A canalha esquerdista está irmanada pela sanha de calar a imprensa por motivos análogos aos que vivemos neste planetinha desgarrado chamado Acre. É mais fácil perpetuar-se no comando quando jornais viram um bistrô de boas notícias e os jornalistas não passam de lacaios que servem as mesas dos companheiros.

Cristina Kirchner, bem como Hugo Chávez, Fidel Castro e os lulistas, não apreciam o cardápio jornalístico quando ele contém notícias amargas. E como na historinha daquele sujeito ricaço, que por estar metido em roupas de ir à praia foi mal atendido pelo porteiro do restaurante chique, essa gente trata logo de comprar o estabelecimento.

A piada é quando a presidente da Argentina dá a entender que 'nacionalizar' seria diferente de 'estatizar'. É claro que se trata de um embuste, bem ao estilo do que se viu no PNDH-3 (Programa Nacional dos Direitos Humanos dos petralhas) com os tais conselhos que se encarregariam de julgar os "abusos" da imprensa brasileira.

Essa gentalha não deveria ter passado do século 19.

Vox Regis

"É sem vergonha".

Do senador e presidente do PSDB nacional Sérgio Guerra, na Folha Online desta terça-feira, sobre o resultado da pesquisa Vox Populi, que deixou de ser a voz do povo para se transformar na voz do rei ao dar a Dilma Rouseff 51% das intenções de voto contra 39% do tucano José Serra.

É cada uma...

Leio na coluna do meu bom amigo e colega Evandro Cordeiro, da Agência Contilnet, as seguintes notinhas:

Infelicidade
Infeliz será qualquer tentativa de ligar a Frente Popular a (sic) confraria de assassinos de Acrelândia. O cérebro da coligação determinou por toda a campanha que nenhum ato tivesse a chancela do prefeito de lá, o Carlos César, do PSB.

Sem atrelamento
Se procurarem as fotos da campanha, o prefeito de Acrelândia não aparece em nenhum palanque de Tião Viana.

Comento
Não demora e o pessoal da imprensa vai 'descobrir' que o socialista Carlos César, que segundo a polícia é um dos responsáveis pela morte do vereador Pinté, estava era no palanque da oposição. Menos, Evandro, menos...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Ótima idéia



A imagem acima, publicada na Folha Online desta segunda-feira, só podia ser coisa do país mais democrático do mundo: papel higiênico com a foto dos candidatos ao parlamento só mesmo nos Estados Unidos.

Ou alguém aí imagina que uma coisa dessa seria possível no país de Fidel Castro, Hugo Chávez ou Marmud Armadinejad? Certamente daria merda...

FHC chama Lula para um cafezinho

Por Marcela Rocha e Filippo Cecilio, do Portal Terra

O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) fez um "convite" ao seu sucessor Luiz Inácio Lula da Silva para tomarem juntos um cafezinho. "Eu quero conversar com ele, cara-a-cara, não pela propaganda eleitoral, mas como líderes responsáveis", afirmou o tucano nesta segunda-feira (18). E completou: "eu reconheço as coisas boas que ele fez. Não precisa negar o que foi feito no passado para se afirmar no presente. É uma visão pequena".

"Ele não me convidou para um café, eu estou o convidando de antemão para tomar um cafezinho. Dizem que eu sou pão-duro, mas Lula nem me chamou para um café", brincou o ex-presidente.

Íntegra aqui.

Comento
Lula, claro, não vai encarar o desafio por inúmeros motivos, muitos dos quais detalhados por Fernando Henrique na reportagem. Mas a principal causa da recusa, na minha opinião, é que o ex-presidente errou na bebida. Se fosse o caso de chamar Lula para tomar uma cachacinha...

Ladeira abaixo

PARA GRUPO DE INDECISOS, SERRA VENCEU DEBATE FOLHA/REDETV!

Da Folha.com

Para um grupo de 27 eleitores convidados a avaliar o debate minuto a minuto a convite da Folha e da RedeTV!, o candidato José Serra (PSDB) teve desempenho melhor que Dilma Rousseff (PT).

No início do programa, os avaliadores se dividiam assim: 23 indecisos, dois dispostos a votar em Serra e outros dois em Dilma.

Ao fim do debate, Serra tinha 14 votos, Dilma contava outros seis, e sete eleitores permaneciam indecisos.

Íntegra aqui.

sábado, 16 de outubro de 2010

Da série "amiguinhos do Lula" (3)

"A Nova Assembleia [venezuelana] só assume no próximo ano. Só assume depois que Dilma assumir o poder no Brasil. Dilma Rousseff. Preciso aprender a pronunciar de forma correta o nome dela, Dilma Rousseff".

Do ditador venezuelano Hugo Chávez, o repressor da livre imprensa, que se pudesse cruzaria a fronteira com o Estado de Roraima para cravar seu voto na companheira.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Pulando do barco

“Não tenho vocação para estar onde não se cumpre compromisso e não se respeitam as pessoas. Não tenho idade para ficar onde estou sobrando”.

Do candidato derrotado ao governo do Ceará, Lúcio Alcântara, em anúncio hoje de que o PR no estado vai apoiar José Serra no segundo turno, agravando a sensação de que o barco petista aponta a quilha na direção do naufrágio eleitoral.

A mensagem de Dilma é a carta do náufrago

Por Augusto Nunes, da revista Veja

Atormentados pela sensação de que estão prestes a perder a eleição, o poder, o emprego e a boa vida, os coordenadores da campanha de Dilma Rousseff perderam quaisquer vestígios de escrúpulos e fizeram a candidata perder de vez a vergonha. Divulgada nesta sexta-feira, a Mensagem da Dilma pede ajuda a um Deus a quem acabou de ser apresentada, renega um Programa Nacional de Direitos Humanos que reproduz fielmente o que sempre defendeu e promete que, se chegar à Presidência, fará o contrário do que pregava até a semana passada.

Confrontado com a prova do crime de estelionato, qualquer dirigente da oposição poderia retrucar com a frase seguinte: “Não podemos permitir que a mentira se converta em fonte de benefícios eleitorais para aqueles que não têm escrúpulos e manipulam a fé e a religião”. Pois é exatamente isso o que aparece no último parágrafo. Entre as obscenidades institucionalizadas pelo governo Lula figura a que transforma o culpado em inocente e lhe concede o direito de acusar as vítimas.

“Espero contar com vocês para deter a sórdida campanha contra mim orquestradas”, choraminga a signatária. “Sórdida campanha” é a coleção de vídeos que mostram Dilma como ela é. Ninguém orquestrou coisa nenhuma: a internet apenas tornou mais conhecidos alguns trechos da partitura da Ópera da Mentira.

A Mensagem da Dilma é a carta do náufrago enfiada na garrafa que flutua sobre ondas crescentemente perturbadoras. Não vai chegar à praia.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Classificados

Amigos, passei o dia às voltas com o meu Fiat Palio 2003. A geringonça tem funcionado dia sim, dia não. O problema é elétrico, e por causa dele tenho ficado na mão - ou melhor, a pé. Daí a improdutividade do dia. Sequer escrevi a coluna desta quinta-feira para o site agazeta.net.

Se alguém souber de um petista que esteja pensando em comprar um carro usado, por favor me avisem. Terei o maior prazer em fechar o negócio.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Queixem-se ao bispo, companheiros!

Os jornais desta quarta-feira, 13, alardeiam que a candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, fez voto antiaborto em encontro com evangélicos. O tema tem dominado o noticiário, com os companheiros de cabelo em pé ante a possibilidade de que a coisa agrave ainda mais a guerra santa contra a ex-ministra. Para evitar danos maiores, ela prometeu que, se eleita for, não enviará ao Congresso projeto de lei que autoriza a interrupção da gravidez.

A dezoito dias da eleição, a companheirada fareja a possibilidade de que o tema aborto vire o jogo contra Dilma, que apareceu nas pesquisas desta quarta-feira com sete, oito pontos percentuais de vantagem em relação a Serra. A meta é estancar a sangria de votos.

Segundo matéria veiculada pela Agência Estado, “O PT avalia que subestimou a questão do aborto no primeiro turno e não quer deixar a polêmica crescer”.

Em outubro do ano passado, o deputado federal Henrique Afonso foi expulso do PT por desrespeitar deliberações da sigla pró-aborto. Uma resolução partidária de 2007 faz a "defesa da autodeterminação das mulheres, da descriminalização do aborto e regulamentação do atendimento a todos os casos no serviço público (...)".

De lá para cá, o PT não mudou suas idéias em relação ao tema. Dilma sim, ainda que a postura improvisada seja mera encenação eleitoral. Resta agora ao partido que se mostrou implacável com o deputado Henrique Afonso queixar-se ao bispo contra a tibieza de sua candidata à Presidência.

Marina, beata Marina

"Noto uma forma muito particular de arrogância na fala e no comportamento de Marina — pode até ser a doce arrogância muito própria daqueles que assumem, nem sempre por culpa apenas sua, o lugar da beatitude".

Do jornalista Reinaldo Azevedo, da revista Veja, em mais um artigo preciso sobre as contradições da candidata derrotada à Presidência da República Marina Silva. Íntegra aqui.

A mentira como meio de vida (3)

Biografia de Dilma na TV é alterada e agora cita 'sólida formação religiosa'

Por Lucas Neves, da Folha Online

A biografia de Dilma Rousseff mostrada em seu programa na TV foi editada para incluir menções à religião.

No programa de domingo passado, reprisado ontem, o locutor apresenta Dilma como "filha da professora Dilma Jane e do imigrante búlgaro Pedro Rousseff, que lhe transmitem uma sólida formação moral e religiosa".

A estrutura é idêntica à do filmete de estreia da petista no horário eleitoral, em 17 de agosto: narração cronológica ilustrada por fotos de família.

Mas naquela ocasião, depois dos nomes dos pais da candidata, não havia referência à religião: "Se casaram em Uberaba e depois mudaram para Belo Horizonte, onde Dilma nasceu".

Continua aqui.

Dilma vira Dilma

Por Valdo Cruz, da Folha Online

Eis que surge, no segundo turno, a Dilma Rousseff mais autêntica. A Dilma que partiu para o ataque direto contra o tucano José Serra, no debate da Band, é mais ela mesma. A outra Dilma, contida, dosando as palavras, treinada à exaustão pelo marketing, era uma versão desacelerada da ex-ministra da Casa Civil, quase um arremedo dela.

A petista não tinha outra saída. Precisava sair da defensiva em que se encontrava. Foi para uma zona de risco, calculada, mas com perigos à frente. Se vencer, poderá dizer que ganhou sendo ela mesma. Se perder, ficará com boa parte da responsabilidade pela derrota.

O fato é que a Dilma produto do marketing cumpriu seu papel. Dentro do roteiro traçado pelo marqueteiro João Santana, a petista deixou de ser uma desconhecida, saiu de quase traço nas pesquisas e terminou o primeiro turno com 47% dos votos. Só que faltou gás no final. Parte do eleitorado, necessária para a vitória, ficou desconfiada. Mudou de lado na reta final. Reconquistar esse grupo, na avaliação da candidata, demanda mais exposição, mais autenticidade, mais dela mesma para gerar confiança.

Entramos, então, no cenário ideal imaginado pelos tucanos desde o início da disputa. Os aliados de José Serra sempre contaram que o estilo de Dilma a derrotaria, deixando exposto seu lado agressivo, assustando o eleitorado. Durante o primeiro turno, isso não aconteceu. Prevaleceu a "Dilminha paz e amor", bem treinada pelo marketing, sem escorregões nos debates. Agora, ninguém sabe exatamente os efeitos da mudança de tática do lado petista.

Daí ser grande a expectativa entre tucanos e petistas a respeito do resultado das próximas pesquisas de intenção de voto. Todos institutos têm programados levantamentos para essa semana. A conferir.

Invictus

Dentro da noite que me rodeia
negra como um poço de lado a lado
eu agradeço aos deuses que existem
pela minha alma indomável

Nas garras cruéis da circunstância
eu não tremo ou me desespero
E sob os duros golpes da sorte
minha cabeça sangra, mas não se curva

Além deste lugar de raiva e choro
paira apenas o horror da sombra.
E ainda assim a ameaça do tempo
vai me encontrar e deve me achar destemido

Não importa se o portão é estreito
não importa o tamanho do castigo.
Eu sou dono do meu destino
eu sou capitão de minha alma

Extraído do filme Invictus, com Morgan Freeman no papel de Nelson Mandela. O poema é atribuído ao ex-presidente sul-africano, que o teria escrito para suportar os 27 anos de prisão por sua luta contra o apartheid. Imperdível.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Indio brabo

E sem papas na língua. O melhor momento do vídeo é quando Indio da Costa pergunta a Guilherme Leal, dono da Natura, se ele contrataria a sargentona Dilma Rousseff para gerenciar suas empresas.

Al perderte

Ernesto Cardenal

Al perderte yo a ti
Tu y yo hemos perdido:
Yo por que tú eras
Lo que yo más amaba
Y tú por que yo era
El que te amaba más.
Pero de nosotros dos
Tú pierdes más que yo:
Porque yo podré amar otras
Como te amaba,
Pero a ti no te amarán
Como te amaba yo.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

A mentira como meio de vida (2)

O ex-governador e senador eleito Jorge Viana (PT) continua a falar pelos cotovelos. Em entrevista ontem (quinta-feira, 7) ao apresentador Jorge Said, da TV Rio Branco,o nosso pequeno príncipe demonstrou que continua fiel ao manual leninista de como se deve tratar os adversários políticos: "Acuse-os do que você faz, xingue-os do que você é", ensinava o guru bolchevique.

Maior animador da campanha da companheira Dilma Rousseff no Acre, Viana instava os adversários a descerem do palanque, já que um deles (Marcio Bittar) fora à TV dizer que é candidato a prefeito de Rio Branco. A hora, repisou nosso Napoleão de jardim, é de "trabalhar pelo Acre". Não entendo como alguém que em duas décadas de vida pública não fez outra coisa além de se esfalfar pelos acreanos tenha consiguido amealhar a fortuna declarada de 2,3 milhões de reais.

A entrevista teve muitas outras bravatas e tentativas de logro. O pior deles foi quando o palanqueiro petista disse que os eleitores terão a oportunidade de escolher entre um porta-voz das elites e uma representante do povo. E que o Estado de São Paulo, o mais rico da Federação, vive às expensas de primos pobres como o Acre.

Não reputo desinformado o Sr. Jorge Viana. Resta-me a opção de tachá-lo de embusteiro.

É cada uma

Entro numa casa lotérica do Bosque e observo o aviso que diz: “Proibido o uso de capacete neste local”. Ora, trata-se de uma tentativa ingênua de coibir os assaltos, como se a interdição ao disfarce pudesse conter a delinquência. Sugiro mensagem mais direta, ainda que não menos inócua:

“Não é permitido roubar neste estabelecimento”.

Leia mais aqui.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Marina "Traíra" Silva

Da Folha Online

O "Blog da Dilma", feito por militantes do PT e que se define como "o maior portal da Dilma Rousseff na internet", postou na véspera da eleição um texto com ataques a Marina Silva.

O arrependimento veio rápido e o texto saiu do ar tão logo a candidata do PV, com 20 milhões de votos, passou a ser assediada para dar o seu apoio aos dois candidatos que disputam o segundo turno das eleições.

O post, com o título "Marina Silva, a traíra", a chamava de "ecochata", e afirmava que sua candidatura era uma vingança contra Dilma e Lula. O texto ainda dizia que Marina não tem "conhecimento" e "caráter" para governar o Brasil.

Íntegra aqui.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

O timoneiro do Titanic petista acha que não merece ser enforcado

O governador Binho Marques não quer ser lembrado pelos companheiros como o timoneiro do Titanic petista. No domingo de eleição, após reuniões em que atordoados petralhas tentavam achar explicação para o fenômeno do desaparecimento dos votos da Frente Popular, Binho era, junto com Edvaldo Magalhães, Raimundo Angelim, Jorge e Tião Viana, a expressão do desalento.

Ontem, na coletiva à imprensa dada pelo governador eleito Tião Viana, Binho atalhou uma questão sobre a derrota dos irmãos Viana na capital. O governador saiu-se com a tese de que o desempenho do seu governo não explica o vexame, uma vez que 79% dos acreanos lhe aprovam o governo. Não vou chafurdar na internet atrás desses números, mas lembro que o índice foi inflacionado pelas respostas dos que consideram a administração “regular”. E se não me engano, sem a turma que considera o atual governo “mais ou menos”, a aprovação de sua gestão era de 49%, entre ótima e boa.

Binho disse ao jornalista responsável pelo questionamento que qualquer avaliação no momento seria precipitada e que a relação “entre as duas coisas [desempenho administrativo e votos] é impossível”. Sua resposta, longe de ser esclarecedora, demonstra apenas a perplexidade dos que, encantados com o poder há mais de uma década, acabaram por acreditar que a triste realidade acreana se satisfaria ad eternum com simples demãos de cal.

Discípulas aplicadas

"É evidente que há um receio com relação ao desgaste eleitoral inevitável. Não há o desejo de aprofundar investigações, para que não se revele fatos que podem comprometer ainda mais a imagem do governo".

Do senador tucano Álvaro Dias, na Folha Online desta quarta-feira, reagindo à manobra governista para evitar depoimento de Dilma Rousseff e Erenice Guerra na CCJ do Senado, já que ambas estão enroladas com negócios escusos na Casa Civil, onde foram ministras e, ao que parece, discípulas aplicadas do companheiro Zé Dirceu.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

A mentira como meio de vida

Marina desmente PT e nega que aceitou conversa sobre apoio

Da Folha Online

A senadora Marina Silva (PV-AC) divulgou nota para desmentir declaração do presidente do PT, José Eduardo Dutra, de que aceitou se reunir para discutir o apoio a Dilma Rousseff no segundo turno.

Segundo Marina, o presidente do PT ligou para dizer que gostaria de iniciar as conversas sobre o apoio. Ela afirma ter agradecido o telefonema e que irá discutir os próximos dias com o partido e com "parcelas da sociedade civil" sobre o apoio.

A senadora disse a Dilma Rousseff (PT) e a José Serra (PSDB) que sua candidatura foi maior que o próprio PV.

"Você sabe que sou uma mulher de processo", afirmou a ex-candidata.

De acordo com a nota, o PV fará uma convenção nacional para decidir a questão.

Nesta terça-feira, Dutra afirmou que Marina Silva já aceitou se reunir com a campanha de Dilma Rousseff para discutir o apoio.

Íntegra aqui.

Comento
Que os petralhas são mentirosos contumazes, todos já sabemos. A questão, portanto, é saber se Marina Silva já deixou de ser uma petralha contumaz.

Eles amam os impostos



Lula protagonizou na Bovespa dia desses a maior oferta de ações da Petrobras na história do país. A empresa arrecadou mais de R$ 120 bilhões com a oferta pública. A descoberta do pré-sal justifica tanto otimismo, sempre muito conveniente em época eleitoral.

Mas eis que na manhã desta terça-feira sou apanhado de surpresa na bomba de combustível. A Petrobras majorou em 16 centavos o valor do litro da gasolina, que de R$ 2,89 (preço no posto em que sempre abasteço) saltou para R$ 3,05. O pior de tudo é que esse aumento terá um efeito cascata.

As perguntas que faço são simples: se o pré-sal pode render votos para a Dilma e maiores investimentos à Petrobras, via captação na bolsa de valores, por que diabos o governo aumenta o preço da gasolina? E se o país é autosuficiente na produção de petróleo, por que o combustível é tão caro?

A resposta me parece óbvia: a gasolina e outros derivados do petróleo nos custam os olhos da cara pela incidência de tantos impostos sobre eles. E a gula dos petralhas por tributos não tem limites.

Quanto mais imposto se paga neste país, melhor a vida dos que encontraram na política o único meio de ascensão social.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

domingo, 3 de outubro de 2010

Foi apenas um sonho

Sonhei contigo esta noite. Que te beijava os lábios, sentindo-te o perfume dos longos cabelos. Sonhei que te mostrava histórias na internet, satisfeito em te ter ao meu lado como outrora. E no sonho eu era feliz, porque não me pesava sobre os ombros essa solidão grotesca e pontual, que me vem visitar todas as noites com olhos irônicos.

Acordei com os primeiros raios de luz deste domingo cinza e frio, sentindo uma estranha necessidade de falar da antítese dos homens bem sucedidos, sempre prontos a transformar sonhos em realidade. Pois fui autor da alquimia mais absurda: transmutei a realidade num mero sonho que se esvai ao amanhecer.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Igreja "pentencostal"



As igrejas ganham força de lei onde se alastra a ignorância. A foto acima foi tirada no município de Assis Brasil.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Da série "Amiguinhos do Lula" (2)

Da Folha.com

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, afirmou nesta quarta-feira que "o país exige respeito" diante do que qualificou de "pornografia" da imprensa privada local, depois de uma corte ter ordenado a proibição de publicar fotos de violência ou sangue.

Durante um conselho de ministros, Chávez mostrou a primeira página do jornal estatal "Correo del Orinoco". O jornal publicou informações sobre protestos de médicos que trabalham no necrotério de Caracas, após publicação, em dois diários privados, de uma foto de cadáveres em uma de suas salas.

Íntegra aqui.

Comento:
Hugo Chávez talvez tenha dado o mote de como acabar com a violência no Acre. Para tanto, basta que a imprensa pare de divulgar os crimes diários a que estão sujeitos os cidadãos, como aliás já fazem quanto a notícias que desagradam aos petralhas.

Ao assistir outro dia a uma entrevista de Jorge Viana, fiquei enojado ante a constatação de que a cretinice tem limites mais elásticos que minha ingenuidade poderia supor. O ex-governador afirmou que quer eleger-se ao Senado para debater uma reforma no Código Penal, já que as leis, ao beneficiar demasiadamente os bandidos, são responsáveis pela criminalidade galopante.

O nosso Pequeno Príncipe só não explicou por que alguns estados, como Sâo Paulo, conseguiram, sob o mesmo Código Penal, diminuir os índices da violência urbana.

Demóstenes mal na fita

Texto reproduzido do blog do Valterlúcio Campelo sobre o papelão protagonizado pelo jornalista Demóstenes Nascimento, da TV 5. Valterlúcio também teve a coragem de dizer quem foi o responsável pela pancadaria nos estúdios da emissora de TV durante entrevista do candidato a senador João Correia (PMDB). O Sinjac (Sindicato dos Jornalistas 'Profissionais' do Estado do Acre), ao contrário, emitiu nota em defesa de Demóstenes, na qual o chamava de "profissional isento".

Este blogueiro, na coluna Prisma do dia 11, emitiu opinião em favor do candidato, baseado no depoimento deste e no comportamento submisso e tendencioso sempre demonstrado pelo apresentador da TV 5 quando se trata de questões ligadas ao governo estadual.

Vamos ao texto de Valterlúcio Campelo.


"Pela transcrição da fita da gravação que acabou em safanões, é obvio que o entrevistador pisou na bola. Coisa jamais vista. Portou-se como membro de partido, como pitbull do governo, o que, convenhamos, o desqualifica completamente para conduzir uma entrevista. O João Correia merece, isto sim, o pedido de desculpas da emissora e de todos os jornalsitas do Acre. E também a solidariedade dos políticos acreanos. Desta vez foi o João, na próxima...

Creio mesmo que cabe ao João, em vista da repercussão do fato em TV's e jornais nacionais, pedido de reparação perante a justiça. Danos morais relevantes foram causados à imagem do candidato".

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Boa noite, picaretas



É em travesseiros como este da foto que os picaretas deveriam deitar à noite seus delírios salvacionistas. Enquanto o povo chafurda na ignorância, os tratantes se encarregam de dizer que tudo vai bem. O preço da tragédia é apenas uma irônica coincidência em época de eleição.

A fotografia foi tirada no Mercado dos Verdureiros, mais conhecido como Minhocão, em Cruzeiro do Sul, Acre.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A vida é simples

Recebi essa historinha por e-mail, enviada por meu amigo Miguel Ortiz. Mais do que pelo teor humorístico, gostei dela pelos personagens envolvidos. Os livros de Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes, foram fundamentais à minha formação de leitor.

Sherlock Holmes e Dr. Watson vão acampar. Montam a barraca e, depois de uma boa refeição e uma garrafa de vinho deitam-se para dormir..
Algumas horas depois, Holmes acorda e cutuca seu fiel amigo:

- Meu caro Watson, olhe para cima e diga-me o que vê.
Watson responde:

- Vejo milhares e milhares de estrelas..

Holmes então pergunta:

- E o que isso significa?

Watson pondera por um minuto e depois enumera:

1) Astronomicamente, significa que há milhares e milhares de galáxias e, potencialmente, bilhões de planetas.

2) Astrologicamente, observo que Saturno está em Leão e teremos um dia de sorte.

3) Temporalmente, deduzo que são aproximadamente 03h15min pela altura em que se encontra a Estrela Polar.

4) Teologicamente, posso ver que Deus é todo poderoso e somos pequenos e insignificantes.

5) Metereologicamente, suspeito que teremos um lindo dia amanhã. Correto?

Holmes fica um minuto em silêncio, então responde:

- Watson, seu idiota! Significa "apenas" que alguém roubou nossa barraca!

Conclusão:

A VIDA É SIMPLES. NÓS É QUE TEMOS A MANIA DE COMPLICAR.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Folga

Tirei "férias" do blog e nem avisei aos leitores. Mas a partir desta semana deverei regularizar as postagens. Abraço a todos que continuam a me visitar aqui.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Da série "Amiguinhos do Lula"

Cuba impede blogueira Yoani Sánchez de viajar ao Brasil

DA EFE

A jornalista e blogueira cubana Yoani Sánchez contou em seu perfil no site "Twitter" que não conseguiu permissão das autoridades cubanas para viajar ao Brasil e assistir à estreia de um documentário que denuncia a censura em Cuba.

Sánchez devia viajar à cidade de Jequié, 360 quilômetros de Salvador, onde nesta sexta-feira estreará o documentário "Conexão Cuba Honduras", do ativista brasileiro Dado Galvão, que retrata a história de vários blogueiros cubanos e hondurenhos perseguidos pela censura em seus países.

"Tenho poucas esperanças de que possa chegar a tempo ao festival de documentários filmes na Bahia", reconheceu Sánchez no "Twitter", onde nas últimas semanas relatou o processo para conseguir sua permissão de viagem.

Íntegra aqui.