quinta-feira, 20 de maio de 2010

O vendedor de sanduíche

Encontro no centro de Rio Branco, em frente à agência da Caixa Econômica Federal, o fotógrafo Antonio Alcântara. Está sem máquina fotográfica. No lugar desta, uma enorme caixa de isopor em que anuncia sanduiches a 2 reais e suco de frutas pela metade do preço. Alcântara não se constrange. Eu é que não consigo disfarçar o incômodo de vê-lo rendido à dureza do comércio informal.

Nada contra quem sai às ruas a anunciar sanduiches, balas, bombons de chocolate e quejandos. Muito pelo contrário. Se todo trabalho honesto é digno de respeito, mais ainda será aquele que o sujeito é obrigado a desempenhar por força da necessidade.

O que angustia em cenas como essa é constatar que o destino, às vezes, age de forma indecorosa com alguns. Alcântara, além de excelente fotógrafo, é instrutor de teatro. Com o movimento cultural acreano em estado de avançada morbidez e os outrora agitadores culturais transformados em funcionários públicos, não restou alternativa a quem sempre viveu da arte.

E ele então me diz:

- Não tenho trabalho há muito tempo. Com os teatros fechados, o movimento ferido de morte e esse governo a esculhambar a cultura, só me resta procurar um rumo. Tô economizando, me preparando também psicologicamente pra deixar o Acre. Isso aqui só vai piorar.

O fotógrafo é interrompido em seu desabafo por um cliente que lhe pede para ver o que há dentro do isopor. Deixo-o, então, a cuidar do seu minúsculo comércio de sanduiches.

Faz calor após uma manhã de friagem. Caminho agora com o coração pesaroso, a pensar nas armadilhas do destino e na crueldade da política. Quem diria que o governador Binho Marques, pretenso artista na juventude, se transformaria no carrasco do movimento cultural acreano?

Essas reflexões me trazem à memória uma peça do teatrólogo nazista Hanns Johst, na qual um dos seus personagens diz: "Quando ouço a palavra cultura, saco logo o meu revólver".

A frase, aliás, é perfeita para esses tempos de pouquíssima arte e muita violência.

6 comentários:

  1. Fazer o que? Neste governo petista, em qualquer nível, federal ou estadual, encontra-se "ignorantes e iletrados" fazendo papel de doutores e vice-versa!

    ResponderExcluir
  2. Caro Archibaldo, esse governo Binho tem duas caras conheço a figura o qual eramos colega, não vale á pena perder tempo prossimo do cara, só ver o lado errado que é o deles PTista.São todos iguais, já leu essa que o aloprado do lula esta planejando, quando deixar o Governo, querser presidente do Banco mundial só pode ser brincadeira, não sabe nem se pronunciar,

    ResponderExcluir
  3. Tudo bem que o blog é um espaço alternativo, explicita a diversidade de opinião e tece críticas ao governo, mas dizer que o Alcantara vende sanduba e suco por causa do poder público já é demais.
    outra observação: o anônimo é risível quando diz que o Lula não sabe se pronunciar e escreve: "conheço a figura a qual eramos colegas", "prossimo", "querser". KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK só faltou mesmo o comentário do "sábio" Acreucho para completar o dia. um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo ex-amigo do governador, quer dizer que o Lula não sabe falar nem se pronunciar? você sabe? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  5. Minha solidariedade ao Alcântara. Cultura para os petralhas só se for eivada de ideologia déspota que caracteriza esse governo.

    ResponderExcluir
  6. Nielsen O. M. Braga25 de maio de 2010 10:14

    Não se trata de 'demonização' do administrativo estadual coisa nenhuma. É a cultura que foi pro brejo e ponto. Se você é artista e acha que conhecia alguém que dizia apoiar a cultura tem todo direito de manifestar sua insatisfação, seja num blog ou em praça pública, muita gente num passado não muito distante foi torturada para termos direito a falar o que pensamos. Como ser pensante e afeito às artes, sinto como se ocorresse comigo, é indigno ver alguém das artes que não está tendo acesso ao seu próprio palco para brilhar.

    ResponderExcluir